Fred Vargas, pseudônimo de Frédérique Audoin-Rouzeau, nasceu a 7 de Junho de 1957 em Paris-França. É uma historiadora, zooarqueóloga e escritora francesa. É conhecida pelos seus romances policiais que geralmente têm como personagem central o comissário Adamsberg. Muitos dos seus livros já foram adaptados para o cinema e a televisão. Ela escolheu o pseudônimo de Fred Vargas a partir do da sua irmã gêmea Joëlle, pintora conhecida como Jo Vargas; homenagem a Maria Vargas, personagem interpretada pela actriz Ava Gardner no filme “La Comtesse aux pied nus”.

Frédérique Audoin-Rouzeau é filha de Philippe Audoin, escritor surrealista, amigo de André Breton, irmã da artista plástica Jo Vargas e do historiador Stéphane Audoin-Rouzeau, especialista em Primeira Guerra Mundial e um dos directores do Centre de recherche de l’Historial de la Grande Guerre.

Em escreveu em 2003 uma obra científica sobre “A peste negra (Les Chemins de la peste, le rat, la puce et l’homme). Desde 1997 é pesquisadora de zooarqueologia do CNRS e especialista em medievalística.

Escreveu o seu primeiro romance policial, “Les Jeux de l’amour et de la mort” em meados da década de 1980 e em paralelo com o seu trabalho em um canteiro arqueológico no rio Nièvre. Isso permitiu-lhe ganhar o prêmio do primeiro romance do festival de Cognac e publicar o romance na coleção Le Masque. Ela escolheu o pseudônimo de Fred Vargas a partir do da sua irmã gêmea Joëlle, pintora conhecida como Jo Vargas; homenagem a Maria Vargas, personagem interpretada pela atriz Ava Gardner no filme “La Comtesse aux pied nus”.

Seu primeiro romance foi premiado no Festival de Cognac de 1986.

Desde 2004, quando escreveu La Vérité sur Cesare Battisti, lidera o movimento de defesa de Cesare Battisti, um ex-guerrilheiro italiano – condenado à prisão perpétua por quatro homicídios ocorridos nos anos 1970 e atribuídos à organização extraparlamentar de extrema-esquerda Proletários Armados pelo Comunismo.

Em Maio de 2018, ela receeu o Prêmio Princesa das Astúrias.