Maryse Condé

Maryse Condé nasceu em Guadalupe a 11 de Fevereiro de 1937. É uma escritora francófona de renome, feminista e activista, difusora da história e da cultura africana nas Caraíbas. Destaca-se pela sua vasta produtividade como escritora e pela sua versatilidade para escrever ficção histórica, contos, romances, ensaios, poemas e outros géneros. É especialmente conhecida pelo seu romance “Segu”.

Depois de graduar na escola secundária foi enviada para o Lycée Fénelon e para Sorbonne em Paris, onde obteve um doutoramento em Literatura Comparada. Em 1959, casou-se com MamadouCondé, um actor guineense. Depois da sua graduação foi professora na Guiné, Gana e Senegal. Em 1982 divorciou-se, e voltou a casar-se no ano seguinte, com Richard Philcox, tradutor da maioria dos seus romances para língua inglesa. Em 1985, Condé obteve uma bolsa Fulbright para ensinar nos Estados Unidos como professora na Universidade de Columbia em Nova Iorque.

Os romances de Condé exploram assuntos raciais, de género e culturais numa variedade de eras históricas.Centram-se nas relações entre os povos africanos e a diáspora, especialmente nas Caraíbas.

 

Algumas das suas obras :

Moi, Tituba sorcière – Gallimard

Le cœur à rire et à pleurer – Pocket

La vie sans fards – Pocket

Rêves amers – Pocket

Traversée de la Mangrove – Gallimard

Les belles ténébreuses – Gallimard

Ségou – tome 1 Les murailles de terre

Ségou – tome 2 La terre en miettes – Pocket